Câmeras, iniciativas por deficientes e defesa da saúde marcam mandato da vereadora Dra. Bete

Por Assessoria de Comunicação | 19/03/2011


Foto:


Em reunião na quarta-feira, dia 16, com salão de igreja lotado, que ajudou a articular, Dra. Bete compartilhou com moradores e comerciantes do Jardim Santo Eduardo e região plano de execução do sistema de vigilância, indicação de melhoria que fez ao prefeito em novembro de 2010 na Câmara e que foi anunciado pelo governo municipal para se iniciar em 90 dias. "É um avanço", disse a vereadora, sobre o emprego de cinco câmeras que deixou a comunidade confiante.

No início da vereança, em abril de 2009, apresentou projeto de lei pela disponibilização de servidores da prefeitura para se capacitarem em Libras. "Os funcionários capacitados prestarão tratamento diferenciado às pessoas com deficiência, com o fornecimento de informações exatas acerca dos serviços municipais", disse Dra. Bete. Em março, teve aprovada a criação de comissão para prover normas e controle que assegurem acesso dos munícipes com limitações motoras a locais públicos.

Com intervenções de acessibilidade, a escola municipal Paul Brasil, no Santo Eduardo, com 970 alunos, sendo 15 com deficiência, teve execução de reforma indicada pela vereadora em março de 2010. Dra. Bete solicitou ainda na data as mesmas obras para a escola municipal Paulo Freire, no Jardim Santa Emília, com mais de 1.400 estudantes, dos quais oito com deficiência. Em abril de 2009, indicou substituição de mochila escolar distribuída aos alunos que causaria dores nas costas.

CMETE
Aniversariante Dra. Bete, para quem instalação de câmeras é 'avanço'

Como estatísticas indicam que, em cada mil nascimentos, de um a três recém-nascidos apresentam alterações auditivas, a vereadora indicou a realização, de graça, pela administração municipal de exame denominado emissões otoacústicas evocadas na população neonatal, o "teste da orelhinha". "Uma intervenção adequada, o mais cedo possível, vai reduzir consequências negativas ao desenvolvimento da criança", argumentou a parlamentar, com atuação destacada na área da saúde.

Dra. Bete solicitou em agosto de 2009 a construção de pronto-socorro no Jardim Dom José, ao justificar que o atendimento em apenas dois PS em uma cidade em torno de 240 mil habitantes é insuficiente e que somente na região do bairro que receberá a unidade – que já está em obras – moram cerca de 39 mil pessoas. Como saúde é questão de prevenção, indicou em novembro de 2010 reforma e instalação de pista para caminhada em praça no Santo Eduardo.

Uma proposição com caráter educativo para que a população tenha acesso a informações que preservem a cultura geral e a memória do povo embuense, além de renovar o reconhecimento oferecido a cidadãos ilustres que, depois de uma vida dedicada a uma causa, de algum modo contribuíram para a história de Embu. A vereadora apresentou no ano passado projeto de lei pela fixação de placas explicativas com histórias dos homenageados que dão nome a órgãos públicos da cidade.

Na defesa de políticas em educação, saúde, esporte e com atenção especial às pessoas com deficiência e idosos, Elisabete Alves Carvalho nasceu em São Paulo e é graduada em fisioterapia – atuou como terapeuta ocupacional. Despertou para a militância política ao participar de grupo de jovens da igreja católica no Jardim Santa Emília. Com atuação junto a comunidades religiosas e ONGs, está em primeiro mandato na Câmara de Embu, eleita em 2008 com 2.887 votos, a mais votada entre os 13 vereadores.

(Adilson Oliveira – Assessor de Comunicação da Câmara Municipal de Embu)

Comentários

Nenhum comentário até o momento