Vereadores reclamam de vazamento e serviço de manutenção de rede da Sabesp em Embu

Por | 25/03/2011


Foto:


Pires relatou que a água jorra pela rua Eiffel, no Parque Esplanada, há vários dias, e no sábado, dia 19, funcionários da Sabesp estiveram no local, abriram um buraco, e o vazamento aumentou, mas não consertaram -- colocaram um cone de sinalização e foram embora. "O povo está indignado. O presidente da SAB do bairro, o Branco, foi até a Sabesp reclamar, meu gabinete enviou ofícios, mas estão fazendo a gente de bobo”, protestou.

Nesta quinta-feira, dia 24, o vazamento continuava, e era percebido desde ladeira abaixo, por onde corria água cristalina, como constatou no local a Assessoria de Comunicação da Câmara, enquanto falta água nas casas da rua de cima. Pires disse que o próximo passo é uma queixa no Procon, “porque o fornecimento de água é uma relação de consumo”, e, se não der certo, pretende entrar com uma ação no Ministério Público Estadual.

“O fornecimento é uma concessão de serviço público, e a renovação do contrato da Sabesp está em discussão. Para ser renovado, devemos exigir que a Sabesp se reúna conosco para resolver esses problemas. Ela não está fazendo esgoto, não está tapando buracos que abre nas vias públicas, alega que os contratos com as terceirizadas estão vencidos. A Sabesp não está dando conta sozinha do serviço, mas não é justificativa”, avaliou.

Adilson Oliveira/Márcio Amêndola-CMETE
Água escorre em vazamento não reparado pela Sabesp; moradores do Esplanada lavam as mãos na água limpa, que falta nas residências

O vereador disse que também irá mobilizar a população do Esplanada e outros bairros contra a empresa. “A Sabesp me aguarde, vou à grande imprensa, ao Ratinho [do SBT], ao 'CQC' [da Bandeirantes]. A gente dá prazo, mas eles não resolvem, é revoltante, até quando vai ficar assim?", indagou. “Água limpa correndo pela rua, dia e noite, acabando com o asfalto do bairro, e não aparecem nem para dar satisfação à comunidade."

Em pronunciamento em tribuna, Pires afirmou que seria até melhor não dizer nada sobre a companhia para "não esquentar a cabeça", mas o descaso é grande, e manifestou apoio irrestrito a requerimento do colega Luiz Carlos Calderoni (PMDB), apresentado e aprovado por unanimidade na sessão anterior, que exige desconto nas contas de água de consumidores com problemas graves de abastecimento, como vem ocorrendo na cidade.

O vereador Silvino também lamentou os problemas que a Sabesp vem causando no município e advertiu a concessionária. “O contrato de concessão do serviço já venceu há tempos, e cabe à Câmara fazer a discussão, mesmo para uma medida mais radical. A Sabesp está deixando muito a desejar: antes, resolvia os problemas em 24, 48 horas; agora, um simples vazamento fica sem conserto por até um mês”, reclamou o presidente da Casa.

“Se o serviço não está prestando, se o contrato não está sendo cumprido, temos o direito de romper o contrato com a Sabesp -- que já dura mais de 30 anos. A empresa está literalmente ‘pisando na bola’, e vamos enviar pela última vez ofícios à Sabesp para vir debater nesta Câmara, para resolver os problemas definitivamente. Caso contrário, a Câmara de Vereadores não autorizará a renovação do contrato", declarou Silvino.

O vereador Arthur Almeida (PSDB) reforçou o protesto ao dizer que uma obra da Sabesp ficou parada por mais de um ano e só recentemente foi concluída, após cobrar do diretor da empresa na região. Ele disse confiar na solução de problemas pelo Estado e prefeitura. "O governador Geraldo Alckmin tem aproximação muito grande com o prefeito Chico Brito”. Os serviços da Sabesp "estão ruins como os do IML [Instituto Médico Legal]”, concluiu.

(Adilson Oliveira e Márcio Amêndola - Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Embu)



 

Comentários

Nenhum comentário até o momento