Professora Joyce pode ser homenageada com nome de centro de saúde da mulher

Por Assessoria de Comunicação | 23/05/2011


Foto:


Em sua justificativa, Edgardo considerou ser uma justa homenagem à professora Joyce, cuja morte violenta levou grande comoção a toda a comunidade escolar, bem como à cidade de Embu. O futuro CRSM será voltado para o público feminino, além de ser um importante referencial para nossa região, tornando-se indispensável a denominação como forma de identidade.

A homenagem à professora Joyce será justa pela importância de seu trabalho e atividades desenvolvidas em Embu, sempre ligadas à área da educação, sendo a homenagem mais que merecida, por seu espírito agregador e capacidade profissional, comprovadas durante sua convivência com a comunidade escolar. A indicação foi aprovada por 11 votos favoráveis e encaminhada ao prefeito Chico Brito (PT) para providências.

Fotos: Reprodução/Adilson Oliveira-CMETE
Professora Joyce; vereador Edgardo na sessão em que fez indicação

Quem era a professora Joyce
A coordenadora pedagógica da Escola Municipal Paulo Freire, Joyce Chaddad Moraes Domingues, de 36 anos, foi morta com três tiros quando chegava para trabalhar no dia 28 de fevereiro deste ano, causando grande comoção em Embu. Ela acabara de voltar de uma licença-maternidade, após ter seu primeiro filho.

Joyce trabalhava na escola desde 2007 e era professora de educação física. Há dois anos foi promovida à função de acompanhar e avaliar o ensino e o processo de aprendizagem, assim como os resultados do desempenho dos alunos, entre outras atribuições. No final do ano passado, mesmo de licença, participou da formatura dos alunos, quando foi homenageada.

 

A professora foi sepultada no dia 1º de março, no Cemitério Floreal Eterno, em Itapecerica da Serra, onde morava. Familiares, amigos, pais e alunos, colegas de trabalho e diversas autoridades compareceram ao velório, que aconteceu no Cemitério Parque dos Ipês. Cerca de 300 pessoas acompanharam emocionadas o velório e o sepultamento. Um misto de comoção, saudade e pedido de justiça marcaram o adeus à educadora.

“Foi uma perda muito grande para a educação, pois ela educava com amor e muita dedicação. O seu maior sonho era ser mãe, por causa da violência
isso não foi possível. A solução seria ter mais policiamento nas portas das escolas e também valores humanos”, disse emocionada Suely Maria Lopes Alexandre, colega de trabalho de Joyce.

Joyce era casada com Evandro Ferreira Domingues, chefe do Departamento de Fiscalização da Prefeitura de Itapecerica da Serra, e deixou o único filho, que estava com apenas sete meses quando foi morta.

(Márcio Amêndola – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Embu, com informações da Prefeitura de Embu e do "Jornal na Net")

Comentários

Nenhum comentário até o momento