Ex-senador Abdias Nascimento é homenageado pelo Legislativo de Embu

Por | 30/05/2011


Foto:


Paulista nascido em Franca, em 1914, Abdias morreu na segunda-feira, dia 23, deixando um imenso legado de luta pelos direitos dos negros e das massas populares brasileiras. Ator, jornalista, poeta, escritor, professor universitário no Brasil e nos Estados Unidos, contemporâneo e amigo do poeta Solano Trindade, partilhou de lutas afirmativas pelo resgate do lugar de destaque da população negra na formação e desenvolvimento do Brasil.

Nos anos 1930, Abdias participou da Santa Hermandad Orquídea, formada por poetas sul-americanos. Na década de 1940, criou o Teatro Experimental do Negro, onde formou vários atores. Ele também foi fundador do Comitê Democrático Afro-Brasileiro, onde advogou por direitos para as empregadas domésticas e políticas afirmativas para a população negra, propostas levadas à Assembleia Nacional Constituinte de 1946.

Reprodução
Abdias, um dos pioneiros na luta contra discriminação racial no Brasil

Por sua luta e militância, foi perseguido e preso durante as duas ditaduras brasileiras do século 20, na era Vargas e após o golpe militar de 1964, sendo obrigado a exilar-se por 11 anos nos Estados Unidos, onde se tornou professor universitário. De volta ao Brasil, contribuiu decisivamente para a redemocratização brasileira, elegendo-se deputado federal em 1982, sendo o primeiro a propor projetos de políticas afirmativas, como as cotas.

Depois, Abdias foi eleito suplente do senador Darcy Ribeiro (1922-1997) pelo Rio de Janeiro. Por quase quatro anos, em duas ocasiões, assumiu a vaga, sempre defendendo aqueles que pouco tiveram vez e voz neste país desde os tempos da escravidão. No Senado, o congressista apresentou vários projetos com objetivo de combater o racismo e buscar reparação, em razão do escravagismo, à população afrodescendente brasileira.

Por exemplo, criou o instrumento da ação civil pública contra atos e omissões de discriminação racial e uma proposta que estabelece sanções na contratação de serviços para o setor público contra empresas que cometem atos e omissões de discriminação racial, e ainda emenda à Constituição Federal garantindo às comunidades remanescentes dos quilombos os mesmos direitos fundiários assegurados às populações indígenas. Abdias recebeu a maior homenagem concedida pelo governo a um cidadão brasileiro - a Ordem do Rio Branco.

Após a aprovação, cópias da moção de pesar foram encaminhadas pelo presidente da Câmara de Embu, Silvino Bomfim (PT), à família enlutada, ao Senado Federal, à presidente da República, Dilma Rousseff, à Câmara dos Deputados, ao governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e ao Teatro Popular Solano Trindade, na pessoa da artista plástica e folclorista Raquel Trindade de Souza.

(Márcio Amêndola e Adilson Oliveira – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Embu)

 

Comentários

Nenhum comentário até o momento