Câmara homenageia nipo-brasileiros com 'relevante' atuação em Embu em sessão solene

Por Assessoria de Comunicação | 15/06/2011


Foto:


Kiyuziro Akimoto, presidente do Conselho de Administração da Sansuy S/A (indústria de plásticos instalada em Embu), Masaru Kimura, ex-presidente da Associação Nipo-brasileira M'Boi, e Iwao Nakajima, pintor naif (arte primitiva), serão homenageados "pelos relevantes serviços prestados à comunidade embuense", conforme projetos de decreto legislativo (02, 03, 04/2011) aprovados por unanimidade na sessão na quarta-feira passada, dia 8.

Entre os mais representativos membros da comunidade oriental, os três cidadãos com contribuição em Embu serão agraciados como parte das comemorações da Semana da Cultura Japonesa, aberta na sexta-feira e que vai até domingo, dia 19. O evento se insere no calendário oficial do município, como prevê a Lei Orgânica da cidade - que fixa datas consagradas de "alta significação para os diferentes segmentos étnicos e grupos sociais".

Homenageados
Paulista de Araçatuba, o descendente Kiyuziro, 77 anos, administra uma empresa, estabelecida em Embu há cerca de 30 anos, que vem criando "milhares de empregos e gerando receitas para o município, bem como produtos de alta qualidade, vendidos no Brasil e no exterior", diz decreto da mesa-diretora da Câmara. Na indústria desde que foi fundada, em 1966, em São Paulo, preside o conselho há quatro anos, eleito em junho de 2007.

Nascido no Japão - na Província de Saga (sudoeste do país), Masaru, 78 anos, presidiu em 1997 e 98 a Associação Cultural Nipo-Brasileira M'Boi, que participou da "grande contribuição cultural, social e desenvolvimentista da comunidade japonesa a Embu por quase um século", salienta resolução. Ele desembarcou no Brasil em 1959 e cinco anos mais tarde se mudou para Embu, onde se tornou agricultor e depois iniciou no ramo da floricultura.

Iwao (pronuncia-se Iuao) Nakajima, 77 anos, é "um dos mais destacados artistas plásticos de Embu, conhecido e reconhecido nacional e internacionalmente, levando o nome de nossa cidade muito além de nossas fronteiras", descreve decreto legislativo. Japonês da Província de Gumma (centro do país), ele chegou ao Brasil em 1956 e se naturalizou em 1977. Um ano antes, integrou a exposição "Grupo Sakai do Embu", em São Paulo.

(Adilson Oliveira - Assessoria de Comunicação da Câmara de Embu)

Reprodução
INTEGRAÇÃO  
Registro do Instituto de Práticas Agrícolas de M’Boy, aberto no ano de 1932 para a formação profissional dos imigrantes japoneses que chegavam ao Brasil para tentar a vida na agricultura. Poucos sabem, mas a escola fundada pelo professor Keiishi Matsumoto atendia jovens que se instalaram por todo o país, não só os de Embu. Assim, em dado momento da história brasileira, o instituto foi considerado uma das mais importantes escolas para adaptação dos imigrantes japoneses às condições brasileiras, trazendo também muitas técnicas agrícolas que revolucionaram o ramo no Brasil, com inovações no campo da produção de hortaliças e leguminosas, que passaram a fazer parte da mesa dos brasileiros, tornando a nossa dieta mais saudável. Embu integra hoje o chamado "cinturão verde" da produção agrícola de São Paulo, abastecendo a Ceagesp, maior entreposto de alimentos, flores e plantas ornamentais da América Latina. Muitos desses produtores ainda resistem em Embu, Itapecerica da Serra e região, levando alimentos à mesa dos paulistas, além de flores, samambais, bromélias.

(Márcio Amêndola - Assessoria de Comunicação da Câmara de Embu)

Comentários

Nenhum comentário até o momento