Lei oficializa cursinho, após emenda de João Leite e Silvino; aulas começam em agosto

Por Assessoria de Comunicação | 4/07/2011


Foto:


O governo municipal adotou a ideia, e o prefeito enviou o projeto (38/2011) regulamentando a iniciativa, aprovada pelos vereadores em sessão (20ª) ordinária da Câmara, por 11 votos favoráveis. De acordo com Chico Brito (PT), devido ao fato de o ensino público regular não estar garantindo o acesso dos jovens mais pobres às Universidades, foi pertinente a ideia da instalação de um cursinho popular patrocinado pela prefeitura.

Segundo a justificativa apresentada pelo prefeito, o Brasil possui 47 milhões de jovens na faixa etária dos 15 aos 29 anos e Embu, 65.387, segundo o IBGE, e a exemplo do país, onde apenas 12,7% dos jovens estão em alguma universidade, os estudantes do município também ficam excluídos do acesso ao ensino superior, ao final do segundo grau, por dificuldades na formação escolar devido a falhas das políticas públicas educacionais.

De acordo com dados do ProUni (Programa Universidade para Todos) - que dá bolsas de estudo em instituições privadas de ensino superior para estudantes pobres -, muitos jovens, embora realizem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) - criado em 1998 pelo Ministério da Educação -, não conseguem ter acesso ao direito que possuem à universidade, por não conseguirem atingir margem considerável nos índices nacionais de notas.

Fotos: Adilson Oliveira/CMETE - 15.jun.11

João Leite e Silvino com jovens que acompanharam aprovação de lei

O prefeito lembrou também que está em fase final de implantação o campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) no parque da Várzea do Rio Embu-Mirim (ao lado do Rodoanel), em Embu, e que encontra-se em andamento uma parceria entre a Unifesp e a prefeitura, que estão unindo esforços, em conjunto com a sociedade civil, para a realização de cursos de extensão que objetivam aproximar a Unifesp do município e da região.

O cursinho poderá assim garantir a igualdade de oportunidade de acesso à universidade e em consequência facilitar a entrada dos estudantes da escola pública no ensino superior com educação de qualidade e a promoção da igualdade social. As aulas devem iniciar na segunda quinzena de agosto, de segunda a sexta-feira, das 19h às 23h, e aos sábados, das 8h às 17h, na Escola Municipal Valdelicre Prass, no Parque Pirajuçara.

Como será o cursinho popular
Segundo a lei aprovada, o Executivo implantará o Curso Pré-Vestibular de Embu através da Secretaria Municipal de Participação Cidadã, atendendo prioritariamente estudantes provenientes de escola pública, de baixa renda e que residam em Embu. De início, atenderá 120 estudantes.

As inscrições serão gratuitas e terão ampla divulgação por meio do site da prefeitura e nos veículos de comunicação do município. Para fins de implantação, fica instituído um Conselho Gestor, formado por representantes da prefeitura, estudantes, professores e entidades da sociedade civil.

Para implantar o cursinho, a prefeitura poderá fazer convênios com instituições públicas ou privadas de ensino, e a lei deverá ser regulamentada em até 60 dias. Ou seja, o Cursinho Pré-Vestibular será implantado no segundo semestre.


Prefeito, vereadores, educadores e estudantes, que assistem sessão

Repercussão na Câmara
No dia da votação do projeto de lei do cursinho, um grupo de estudantes secundaristas de escolas como as dos bairros Jardim da Luz e Parque Pirajuçara participou da sessão e comemorou a aprovação da proposta, como também educadores do Centro de Referência da Juventude e professores. O vereador João Leite, autor da proposta no ano passado, era o mais entusiasmado.

"Tenho uma grande alegria de ver este projeto implantado, para que os nossos jovens tenham direitos iguais aos do que podem pagar por cursinhos privados, que são muito caros e só de acesso dos ricos", disse João Leite, ao afirmar que "não podíamos deixar de pensar em facilitar o acesso dos estudantes de Embu na futura universidade federal no município e em outras, tendo condições de competir com alunos em escola particular".

O vereador ressaltou que, ao apresentar a emenda que garantiu recursos para a idealização do cursinho, teve não só apoio como contou com o envolvimento dos próprios estudantes na formulação do projeto. "O mais importante foi a participação dos jovens, que foi muito forte", elogiou. Ele prometeu buscar, com o apoio dos vereadores e do prefeito, "alternativas para que o cursinho atenda não só 120 alunos, mas um número maior".

O presidente Silvino agradeceu ao prefeito, que levou a proposta adiante, tornando o cursinho uma realidade. "Havia um verdadeiro caos em Embu antes de 2001, a cidade estava surrada pela administração anterior, e a grande demanda era por asfalto", disse. Segundo Silvino, com a chegada dos prefeitos Geraldo Cruz e Chico Brito, a cidade vem experimentando um ciclo de desenvolvimento, com forte atuação justamente na educação.

"Hoje conquistamos este Curso Pré-Vestibular, que vai ajudar nossos jovens a entrar não só na USP ou outras universidades de fora, mas também aqui mesmo, na nossa universidade federal, fruto da luta dos prefeitos, liderados pelo Chico Brito, da luta dos jovens, dos vereadores de Embu e de toda a região”, destacou Silvino, que é professor na rede pública.

(Márcio Amêndola e Adilson Oliveira – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Embu)

Comentários

Nenhum comentário até o momento