Câmara aprova moção de aplausos ao Enem, aplicado a mais de 5 milhões de alunos

Por Assessoria de Comunicação | 1/11/2011


Foto:


Os vereadores falaram sobre o sucesso do certame, que registrou abstenção de 26,4%, índice menor do que a média em 2010, de 28%, e que esta edição teve o número recorde de 5.367.092 inscritos. O exame vem sendo cada vez mais utilizado como porta de entrada dos jovens do ensino público ao ensino superior, em especial às universidades federais. Neste ano, 36 das 55 federais usarão de alguma forma a nota do Enem.

O exame vai, ainda, substituir o vestibular de 22 dessas universidades, e outras 14 vão mesclar com seu processo seletivo. Diante do sucesso da aplicação do Enem, neste ano, representantes das 68 instituições públicas federais de ensino superior aderiram à formação da Rede Nacional de IPFES para que, no futuro breve, todas as instituições federais de ensino passem a usar o exame como porta única para acesso a essas universidades públicas.

O processo de seleção para ingresso dos estudantes no ProUni (Programa Universidade para Todos) - para acesso ao ensino superior em universidades e faculdades privadas de todo o país, com bolsa parcial, de 50% da mensalidade, ou total - é impessoal, informatizado e se baseia nas notas obtidas pelos candidatos no Enem, o que garante transparência e imparcialidade na escolha dos candidatos a bolsas de estudos.

Foto: Adilson Oliveira-CMETEA
Parte dos vereadores em aprovação de moção por exame nacional

A presidente do Inep, Malvina Tania Tuttman, declarou que “o Enem é um ganho importante para todos aqueles que desejam ingressar em uma instituição de ensino superior, e democratiza de fato esse acesso". Ela afirmou ainda que o Inep concebe e realiza avaliações em larga escala com os objetivos de aferir o desenvolvimento de determinados saberes ao longo da escolarização e acompanhar a qualidade de ensino ofertada no país.

O ministro Fernando Haddad, maior entusiasta do Enem como via de acesso à Universidade, após ter sido criticado por essa defesa, hoje demonstra que o caminho que escolheu era o mais acertado, apesar de as grandes universidades paulistas (USP, Unicamp e Unesp) ainda não terem aderido ao exame nacional, em substituição aos seletivos vestibulares tradicionais, que dificultam o acesso dos mais pobres à universidade pública e gratuita.

Hoje, o Enem é aplicado em todo o país, inclusive nas unidades prisionais, possibilitando a reintegração social do detento através da educação, numa prova veemente do caráter democrático e não discriminatório do exame. Criado em 1998, não era bem visto nem pelos estudantes, nem pelas instituições de ensino médio, mas hoje se consolida como o principal exame de avaliação justa e democrática, tanto do aluno como das instituições.

Após aprovada, a moção de aplausos foi encaminhada à presidente da República, Dilma Rousseff, ao ministro Haddad, à presidente do Inep, Malvina Tania Tuttman, ao reitor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Walter Albertoni, ao prefeito de Embu das Artes, Francisco Nascimento de Brito, à secretária municipal de  Educação, professora Rosemary Mendes Matos, e às câmaras municipais da região sudoeste.

(Márcio Amêndola – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Embu das Artes)

 

Comentários

Nenhum comentário até o momento