Saúde tem maior nº de atendimentos e supera metas; usuário reclama remédios e consultas

Por Assessoria de Comunicação | 26/03/2013


Foto:


Na audiência pública, que ocorreu no dia 27 de fevereiro, a secretária municipal de Saúde, Sandra Magali Fihlie, que é médica geriatra, relatou que em 2008 foram 3.293.972 procedimentos, que subiram para 3.764.566 no ano passado. A produção ambulatorial envolve desde o atendimento do munícipe na recepção da unidade até a consulta, o encaminhamento médico e da enfermagem, incluindo medicação, curativos, entre outros.

"A maioria das unidades atinge mais de 60% da meta preconizada para o número de consultas médicas nas unidades de saúde", afirmou Sandra, mostrando que as unidades com estratégia de saúde da família tiveram uma cobertura maior em relação à meta. Assim, a UBS Jardim Santa Luzia, Sílvia e Tomé (região central), cuja meta seria realizar 3.778 consultas, realizou no terceiro quadrimestre 4.721 consultas, com 125% de cobertura.

As ações de promoção e prevenção também tiveram aumento de 16%, no mesmo período de quatro anos, passando de 672.502 para 780.543, incluindo as atividades educativas em grupo, práticas corporais nas unidades e visitas dos agentes comunitários, com aumento de 1,8%. Já os procedi-mentos de diagnóstico, principalmente coletas de exames laboratoriais como endoscopia, ultrassonografia, radiologia, entre outros, registraram queda.

Foto: Adilson Oliveira/CMETEA
Audiência sobre atendimento da saúde nos últimos 4 meses de 2012

“Em 2011, nós mudamos o procedimento, as coletas passaram a ser faturadas por paciente e não mais por exame”, explicou, revelando que houve aumento de 30,43% na quantidade desses procedimentos em comparação ao mesmo quadrimestre do ano anterior. A médica disse, ainda, que em quatro anos houve aumento de 21,77% na quantidade de procedimentos clínicos – como tratamentos odontológicos e fisioterapia, por exemplo.

MAIS 220% DE PRÓTESE DENTÁRIA
Esse dado positivo se deveu, principalmente, ao aumento das consultas médicas especializadas, consultas de pré-natal, e o SAMU (ambulâncias de emergência) começou a processar seus procedimentos em fevereiro de 2012. "Nessa ação, foi o quadrimestre com maior produção desde 2009”, afirmou ela. Já a colocação de próteses dentárias aumentou 220% em relação ao ano anterior. "Antes só oferecíamos para idosos, agora é para toda a população."

Sandra apontou também aumento de 12,81% nos procedimentos cirúrgicos como pequenas cirurgias e cirurgias de pele, em relação ao quadrimestre anterior de 2012. A saúde de Embu das Artes terminou o ano muito próximo da meta de cobertura da consulta odontológica, atingindo 90% das consultas esperadas. A UBS Itatuba, por exemplo, teve cobertura de 332,62%. A menor cobertura ficou com a UBS Santo Eduardo (44,89%).

O relatório apresenta, ainda, uma série de medidas em urgência e emergência, ou seja, nos pronto-socorros. No PS Irmã Annette, no Jardim Vazame, houve troca da gerência administrativa, implantação de novo fluxo de solicitação de materiais, com redução de gastos, adequação das réguas de oxigênio nas enfermarias, implantação de diversos pontos de energia para adequação de aparelho individual por leito, como o aparelho de raio-x portátil, entrega da nova unidade de atendimento de emergência e melhorias no acesso do carro fúnebre, nova sala de espera pra medicação, entre outras melhorias.

Foto: Adilson Oliveira/CMETEA
Secretária Sandra faz prestação de contas da saúde e reitera avanços

No PS e Maternidade Central foi feita a terceirização da lavanderia e comprado um gerador novo e automático. Os dois PSs passaram a ter visita técnica de nutricionista. "Nos pronto-socorros, realizamos muito mais consultas do que o esperado e ultrapassamos a meta estabelecida pelo SUS, com cobertura de 862,37%”, frisou, lembrando que, "muitas vezes, o caso não é de urgência ou emergência, pode ser resolvido na unidade básica de saúde", advertiu. Os números mostram que houve aumento de 20% nos atendimentos nos PSs no último quadrimestre de 2012 em relação ao 2º quadrimestre do ano.

Sobre a terceirização dos serviços nos PSs, afirmou: "Monitoramos o serviço com lupa, mas se alguém souber de alguma coisa favor avisar a secretaria”. Ela acrescentou, ainda, que “saúde se faz com gente, não só com agulha e bisturi. É gente tratando de gente, se houver comportamento não ético, a gente resolve", disse a secretária na audiência que reuniu cerca de 30 pessoas, entre vereadores, assessores, funcionários da Câmara e moradores.

MEDICAMENTOS
Um morador do Jardim da Luz reclamou da falta de medicamentos básicos e de ter de esperar em fila desde a madrugada por até cinco horas para marcar uma consulta com clínico, e só para "meses depois", em unidades de saúde da região. Ele rechaçou a justificativa de que a deficiência se deve a distribuição não regular de remédios por parte do Estado. "Na hora de pedir voto, dizem que a saúde vai melhorar, não vai faltar remédio de jeito nenhum", disse. 

A secretária disse contar com a participção da população para cobrar na busca de eficiência, mas reiterou o avanço na saúde do município. "Desde 2009, os dados são crescentes tanto quanto ao número de consultas, quanto de atendimentos. Estamos dando resposta", finalizou, pedindo a ajuda dos vereadores no sentido de conscientizar a população sobre os serviços de urgência e emergência, que só devem ser procurados nos casos graves.

(Rita de Biaggio - colaborou Adilson Oliveira, da Assessoria de Comunicação da Câmara de Embu das Artes)

Comentários

Nenhum comentário até o momento