Dr. Pedro Valdir apoia Frente Parlamentar para Desoneração de Medicamentos

Por Assessoria de Comunicação | 22/04/2013


Foto:


A frente, formada também por senadores, promoverá debates, seminários e audiências públicas sobre o tema no Congresso Nacional. O objetivo é, ao menos, reduzir o imposto à média mundial, em torno de 6%, e mudar o atual cenário do país, em que 55% da população não tem condições financeiras de comprar remédios. "É um item de necessidade básica, mas muitas pessoas acabam não conseguindo comprar devido ao preço", ressaltou Ihoshi.

Fotos: Adilson Oliveira/CMETEA - Assessoria parlamentar
Dr. Pedro Valdir, ao apresentar moção favorável a frente parlamentar

Ihoshi e Dr. Pedro, que apoia ações em favor da população carente

No Brasil, que tem a tributação mais alta do mundo no setor, os impostos sobre os medicamentos correspondem a 33,87% do valor - mais da metade (17,34%) é de ICMS (imposto estadual). Uma vez reduzido o peso dos impostos, deve haver o repasse imediato ao produto, o que alivia diretamente o bolso do consumidor. "A saúde pública no Brasil está muito cara para a população", afirmou o deputado Junji Abe (PSD-SP), membro da frente.

Mais de 70 entidades ligadas ao setor farmacêutico estão mobilizadas em torno da redução da carga tributária dos medicamentos. O PSD mostrou apoio à iniciativa com a presença do líder Eduardo Sciarra (PR) e também dos deputados Guilherme Campos (SP), Geraldo Thadeu (MG), Eleuses Paiva (SP) e César Halum (TO). "O governo reduz impostos de outras áreas, deveria diminuir de setores essenciais como a saúde", sugeriu Halum.

A direção da frente parlamentar ficou assim composta: deputados federais Walter Ihoshi (PSD-SP), presidente; Júlio Delgado (PSB-MG), vice-presi-dente; Geraldo Thadeu (PSD-MG), secretário-geral; José Carlos Araújo (PSD-BA); André Vargas (PT-PR); e senadores Vital do Rego (PMDB-PB) e Paulo Baun (PSDB-SC). O vereador Dr. Pedro Valdir disse que continuará apoiando iniciativas que beneficiam diretamente a população mais carente do país.

(Assessoria de Comunicação - com informações de assessoria parlamentar e agências)

Comentários

Nenhum comentário até o momento