Câmara vota Conselho Empresarial e chama audiência pública

Por Assessoria de Comunicação | 6/04/2017

Presidente Hugo Prado (PSB) discursa e convoca audiência pública sobre a terceirização dos cemitérios municipais
Foto:Adilson Oliveira/CMETEA

Os vereadores de Embu das Artes aprovaram nesta quarta-feira, dia 5, dois projetos de lei, o que cria o Conselho Empresarial, para auxiliar a prefeitura na tomada de decisões na Secretaria de Indústria e Comércio, e o que estabelece dotação orçamentária específica para prover as novas secretarias do governo. Durante a sessão, a presidência da Casa comunicou a realização de audiência pública sobre a terceirização dos cemitérios municipais para os próximos dias.

Pela lei aprovada, o Conselho Empresarial de Embu será formado por 30 membros, dez ligados à indústria, dez ao comércio e dez ao setor de serviços. "As pessoas terão o compromisso de uma vez por mês se reunir para ali discutir os problemas da cidade. É um grande avanço, nos últimos anos duas grandes empresas foram embora. Talvez se já tivéssemos a secretaria e o conselho hoje não teríamos mais de 500 famílias desempregadas", disse o vereador Daniboy (DEM).

A lei de dotação orçamentária que cria e suplementa despesas com correspondentes fontes de recurso municipal foi aprovada por conta de que algumas secretarias foram criadas, como a de Segurança Pública, a de Trabalho e Emprego e a própria Indústria e Comércio, justificou o Executivo. Os dois projetos foram enviados pelo governo para trâmite normal na Casa, mas foram votados em regime de urgência a pedido do vereador Daniboy pela relevância das matérias.

Na parte inicial da sessão, o presidente Hugo Prado (PSB) anunciou a audiência sobre os cemitérios no dia 17 de abril, às 18h, na Câmara. "Um dos pontos de consenso de dificuldades é a gestão dos cemitérios municipais. Em discussão com o prefeito, decidimos convocar uma audiência pública para discutir a melhoria dos serviços prestados pela empresa. Que possamos apresentar soluções, até porque o nosso povo paga hoje um valor alto", disse o vereador.

A vereadora Rosângela Santos (PT) marcou e manteve a audiência sobre o tema no dia 18, às 18h, no Legislativo. "É importante a audiência pública, a Câmara faz questionamentos sobre a privatização dos cemitérios desde a gestão passada. Eu já tinha organizado uma audiência, uma não impede a outra", ressaltou. O vereador André Maestri (PTB) defendeu que a Câmara amplie as discussões que afligem a população e contribua com o governo para solução.

O vereador Doda Pinheiro (PT) rejeitou a terceirização do trabalho aprovada e a reforma da Previdência proposta pelo governo Temer (PMDB) e sugeriu à população "pegar um a um o nome dos deputados" favoráveis para no ano eleitoral de 2018 "jogar na cara deles que não são dignos de ter o seu apoio". "É um absurdo ter de trabalhar 49 anos para se aposentar. Com o preço do velório inclusive em Embu, não teremos nem condições de morrer dignamente", disse.

O vereador Bobilel Castilho (PSC) engrossou o coro dos contrários às medidas. "A gente não pode fazer vista grossa quando vê o povo ser massacrado", disse. O vereador Edvânio Mendes (PT) reprovou a terceirização ter passado no Congresso. "O governo federal buscar diminuir o custo das empresas não pode ter como contrapartida o rebaixamento do direito dos trabalhadores", disse Edvânio, que também condenou o fim do programa "Ciência Sem Fronteiras".

Rosângela destacou o envio pelo deputado Valmir Prascidelli (PT) de emenda de R$ 100 mil para a prefeitura comprar uma van para o Núcleo de Atenção à Saúde da Família e outros equipamentos. Bobilel ressaltou que em visita à Assembleia Legislativa o deputado Márcio Camargo (PSC) destinou R$ 200 mil para obras na cidade. Ele solicitou mais R$ 500 mil. "Ele disse que em 15 dias vai resolver. Pediu para fazer documentação que vai mandar uma ambulância", comentou.

(Adilson Oliveira - Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal)

Comentários

Nenhum comentário até o momento