Vereadores aprovam reajuste aos servidores e abrem mão da correção anual dos próprios salários

Por Assessoria de Comunicação | 24/09/2015

Vereadores apoiaram decisão sobre abdicar de reajuste salarial
Foto:Genildo Rocha

Por unanimidade, os vereadores da Câmara Municipal de Embu das Artes aprovaram na sessão desta quarta-feira, dia 23, o projeto de resolução 08/2015 que concede aos servidores da Câmara o reajuste de 9,53% sobre os salários. O percentual é calculado sobre o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado nos últimos 12 meses.
A decisão de recusar o reajuste permitido também aos vereadores pela Resolução 186/2011 (Artigo 1º, §2º), veio após uma articulação do presidente da Casa, Ney Santos, entendendo que o município, bem como o país, passa por restrições orçamentárias. Em Tribuna o presidente da Câmara citou uma economia aos cofres públicos de R$ 228 mil até o final deste mandato.


O reajuste dos salários dos servidores com base na inflação é um dos compromissos assumidos por Ney Santos quando de sua posse na presidência. “Essa crise, que é uma crise nacional, infelizmente chegou ao nosso município. Mas esperamos que seja uma crise passageira. Infelizmente por tudo aquilo que a gente viu, de desvios e desvios de bilhões; hoje o nosso povo está pagando essa conta. Então eu acho que a gente como bom gestor tem tentado fazer aqui em Embu das Artes, não só os vereadores como o prefeito, contribuir de alguma forma”, disse o presidente da Câmara.


Os vereadores Júlio Campanha (PTB), Jefferson Siqueira (PSDB), Jabá do Depósito (PTC), Gilson Oliveira e Edvânio Mendes, ambos do PT, também se manifestaram parabenizando a atitude dos vereadores para a recusa do reajuste salarial amparado pelo artigo 37 (inciso 10) da Constituição Federal. “Está de parabéns o nosso presidente que puxou essa discussão, onde todos os vereadores se colocaram a favor. Mas reconheço que quem puxou isso [a recusa do reajuste] foi o nosso presidente. Então está de parabéns pela discussão que é o mínimo que a Câmara pode fazer para contribuir com os cofres públicos, a partir da situação financeira do nosso município”, destacou Edvânio em entrevista após a sessão.


Gilson Oliveira destacou a atitude de diálogo da presidência da Câmara em respeito a atual situação do município. “Achei um gesto de grandeza, principalmente da presidência desta Casa. Num momento de crise que nos encontramos não seria a ocasião para isso, até porque eu acho que o vereador é bem remunerado. Quem quer trabalhar pelo povo não precisa desse reajuste”, afirmou Gilson Oliveira.


O presidente da Câmara também se solidarizou com a demissão de funcionários da prefeitura para a organização das contas do executivo municipal. “Devido essa crise nacional nosso prefeito teve que tomar essa medida, mas infelizmente as vezes a gente tem com cortar na carne para que as coisas andem. Somos solidários as pessoas que estão nessa condição de ter sido despedido do governo, desejar boa sorte e que Deus possa abençoar a vida de cada uma dessas pessoa”,  comentou.

 

Comentários

Nenhum comentário até o momento