Câmara aprova GCM em polos comerciais e feira noturna

Por | 24/04/2015

Luiz do Depósito (em 1º plano), autor de projeto de bases da GCM, e mesa-diretora na condução da sessão
Foto:Adilson Oliveira-CMETEA

Os vereadores de Embu das Artes aprovaram na sessão na quarta-feira dia 22 de abril projeto de lei que autoriza o governo municipal a implantar bases comunitárias da Guarda Civil Municipal em cada polo comercial da cidade. Outras proposições aprovadas foram denominação de praça, troca de placas de rua, reforma de quadra, construção de berçário e implantação de feira noturna, além de moção de apelo para que o governo do Estado dialogue com os professores, em greve há mais de 40 dias.

O vereador Luiz do Depósito (PMDB), autor do projeto de lei autorizativo, disse que o governo municipal já vem implantando bases da GCM em algumas localidades da cidade. “O objetivo é pedir que o prefeito continue com esse projeto de deixar a Guarda Municipal nos bairros, principalmente nas áreas comerciais. Já foram colocadas algumas bases, a comunidade está contente e pedindo em outros bairros. É um suporte para os comerciantes”, justificou o parlamentar.

O outro projeto aprovado dá nome de Maria Reni Marques de Souza a praça na rua São Marcelo, no Valo Verde. A saudosa moradora foi uma das fundadoras e ajudou a conquistar água, luz, saneamento básico e áreas de lazer para o bairro. “Ela contribuiu muito com o crescimento daquele bairro, merece essa homenagem”, disse o autor Ney Santos (PSC). “Sua mãe fez muito pelo bairro”, disse o coautor Jefferson do Caminhão (PR) ao se dirigir ao filho de Maria Reni na sessão.

Entre as quatro indicações aprovadas, Gilvan da Saúde (Pros) solicitou a colocação de placas de rua novas na cidade, com justificativa de que Embu das Artes recebe muitos turistas e mesmo para facilitar a localização dos endereços por entregadores de redes de lojas e carteiros. “Fiz essa indicação baseado na cobrança dos moradores, as pessoas estão com dificuldades de identificar o nome de ruas nas placas, que estão bem apagadas. A troca é bem necessária”, disse.

Doda Pinheiro (PT) indicou reforma da quadra poliesportiva José Anacleto, no Jardim Santa Tereza, ao lembrar que em reunião com o secretário de Esportes, Silvino Bomfim, um das questões discutidas foi a necessidade de periódica manutenção dos espaços esportivos da cidade e que a quadra citada está com piso “muito deteriorado, e a prática de esporte não acontece”. Ele também solicitou a construção de berçário na Creche Suely Maria Hipólito de Oliveira, no mesmo bairro.

O presidente Ney Santos e Gilson Oliveira (PT) indicaram a implantação de feira noturna, de “ingredientes e gastronômica”, no Jardim Santo Eduardo ou Dom José. Os autores destacaram que a iniciativa já existe na praça da Lagoa com muito êxito. “Ela foi implantada no centro e é um grande sucesso, na região do Santo Eduardo e Dom José não será diferente”, disse Ney Santos. “Ali a feira noturna é uma necessidade, o pessoal trabalha ou estuda e chega tarde em casa”, disse Gilson.

A proposição gerou debate. Doda Pinheiro disse esperar que a solicitação de autorização da prefeitura da feira na região do Santo Eduardo não substitua a no Parque Pirajuçara, indicação que fez e foi aprovada “lá atrás”. “Senão a comunidade ficará totalmente revoltada com o governo. Que possamos conversar para contemplar os dois bairros”, disse o vereador. Ney Santos disse ter certeza de que a feira que indicou “não vai substituir a sua, é só mais uma para acrescentar”.

Ao apresentar a moção, João Leite (PT) chamou a atenção de que uma greve de professores prejudica os jovens, que deixam de aprender, mas também toda a família. “Como acredito na inteligência do governador Geraldo Alckmin, ele se abrirá ao diálogo, até pela importância do professor”, disse. Doda Pinheiro disse que Alckmin se mostra insensível à categoria. Gerou réplica. Carlinhos do Embu (PSC) disse que o governador “logo entrará em acordo, não precisava fazer apelo”.

TRANSPORTE
Rosana do Arthur (PMDB) relatou que a Viação Miracatiba anunciou acabar com a linha Jardim Tomé-Clínicas mesmo após se comprometer com moradores em reunião na Câmara de não tomar a decisão sem discutir melhor. “Os que fazem faculdade teriam que descer no centro de Embu por volta das 11 da noite e tomar outro ônibus. Se já está perigoso indo direto para o Tomé, imagine fazendo baldeação”, disse. Ela solicitou que a empresa seja convocada para se explicar na Câmara.

CULTURA
A tribuna popular foi utilizada. O morador Manoelídio Ramalho, o poeta Mané do Café, apresentou vídeos de participações que teve em eventos de poesia pelo Brasil. Ele cobrou da Secretaria de Cultura apoio para que possa continuar a declamar poesia representando Embu fora e inicie o projeto nas escolas da cidade e que a pasta volte a realizar a Semana Lítero-Cultural. Clidão do Táxi (PC do B), líder do governo, disse que Mané do Café “deve ter conversa com o secretário” para tratar as questões.

(Adilson Oliveira - Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal)

Comentários

Nenhum comentário até o momento