Vereadores concedem título, destacam manifestações e aplaudem GCM cidadã

Por Assessoria de Comunicação | 26/06/2013


Foto:


Os vereadores também declararam apoio às manifestações populares que acontecem em várias capitais e cidades brasileiras desde a semana passada. "O povo brasileiro está de parabéns pelas manifestações pacíficas", disse Edvânio Mendes (PT), contando que sua filha de 16 anos foi a uma das manifestações. "O que está acontecendo só é possível porque o país mudou e muitos deram suas vidas pela democracia. Não devemos nos esquecer disso", alertou.

Ele disse ainda que os atos são um recado do povo a legisladores e gestores públicos "para pensarmos e agirmos diferente", mas lembrou que o sistema do país é capitalista e o problema não é só de gestão pública, "é de conscientizar o empresariado que visa somente o lucro". Doda disse que “o movimento muito está dizendo para a classe política” e elogiou o prefeito Fernando Haddad por “voltar atrás e reduzir o preço da passagem para R$ 3” na capital.

                                                                           Adilson Oliveira/CMETEA
Edvânio usa tribuna para enaltecer manifestações populares pelo país

Ney Santos (PSC) disse que o momento "é ótimo para mostrar ao mundo que o país precisa de mais saúde, transporte". "Embu, graças a Deus, está bem, tem cidade bem pior”, falou. Clidão do Táxi (PC do B) avaliou que o Brasil vive momento de reflexão e contou que participou do movimento das "Diretas Já" e nunca houve o que ocorre agora, sobre casos de vandalismo. "Tem pessoas tirando vantagem do movimento para denegrir a imagem do país", advertiu. 

'CIDADÃO EMBUENSE'
No decreto legislativo 07/2013, aprovado por unanimidade pelo plenário, os vereadores justificam conceder o título de "Cidadão Embuense" ao recordar que Morozetti foi secretário de Finanças e Administração nos primeiros seis anos - do total de oito - da gestão do ex-prefeito e hoje deputado estadual Geraldo Cruz (PT). Antes de ingressar na administração pública, ele se apo-sentara como gerente do Banco do Brasil, onde trabalhou de 1971 a 1997.

                                                                            Adilson Oliveira/CMETEA
Presidente Doda, que apresentou moção de reconhecimento à GCM

Ele foi presidente da Associação Comercial, Industrial e Serviços de Embu (Acise) entre 2006 e 2008. Desde conselheiro da presidência, prestou serviços à Acise por mais de 16 anos ininterruptos. Em maio, ele foi um dos homena-geados na comemoração de 46 anos da entidade. Em 1994, iniciou parceria de sucesso com o empresário e ex-vice-prefeito Roberto Terassi, quando este assumiu a presidência, e foi tesoureiro da Acise, que hoje reúne 500 empresas.

Em 1994 e 95, presidiu o Rotary Club, no qual desenvolveu vários projetos, entre eles, o Boa Visão, que atendia crianças carentes com deficiência visual em todo o município. Em 98, ingressou na política, quando a cidade vivia um caos administrativo. Considerado um dos idealizadores do projeto Geraldo Cruz/Terassi, foi um dos coordenadores das duas campanhas vitoriosas que elegeu e reelegeu Geraldo prefeito de Embu. Era militante do PSB.

Adilson Oliveira/CMETEA
Pedro Valdir ao apresentar moção de pesar pela morte de artista

"Ele foi o responsável pela compra do atual prédio da prefeitura", lembrou Clidão, ao frisar a eficiência de sua gestão que concentrou todas as secretarias num único local, economizando recursos públicos. Promoveu a pontualidade dos pagamentos a fornecedores e funcionários, que sofriam constantes atrasos, gerando motivação entre servidores e enorme economia ao erário, sendo pioneiro no crédito em conta, pondo fim à burocracia no pagamento.

GCM, 10 ANOS
A proposição de reconhecimento à Guarda Civil Municipal pelos 10 anos de criação foi apresentada pelo presidente da Casa. "Devido ao grande trabalho prestado por esses homens e essas mulheres, encaminhamos essa moção de aplauso à CGC, que tanto faz pela nossa cidade", disse Doda, ao lembrar que solenidade de homenagem à Guarda, naquele dia, reuniu 11 dos 15 vereado-res. Pedro Valdir (PSD) frisou que "a nossa GCM faz um trabalho maravilhoso".

                                                                            Adilson Oliveira/CMETEA

Professor Cagnin fala na sessão da fundação de Embu em 18 de julho

PESAR POR RICHARD
Pedro Valdir lembrou a arte do alemão Richard Czukewitz, que morreu no dia 15 de junho em Embu, aos 60 anos, ao apresentar a moção. "Chegou em 1978 ao Brasil a convite da Igreja Católica e ensinou pessoas na arte da forjaria. Escolheu Embu para morar, recebia crianças de escolas municipais, do Estado e particulares em seu ateliê [no Jardim Pinheirinho], e fez trabalhos de forjaria em arte sacra para várias igrejas na região, em São Paulo e Aparecida".

TRIBUNA POPULAR
A sessão teve tribuna popular, em que o professor Antonio Luiz Cagnin apresentou justificativas para comemoração de 18 de julho como aniversário de fundação da cidade - na data, foi fundada a Aldeia de M'Boy. Segundo Cagnin, Embu completará 459 anos em 18 de julho, sendo a oitava cidade mais antiga do Brasil, a primeira do Estado fundada após São Paulo, pelos padres Manoel da Nóbrega e José de Anchieta, em 25 de janeiro de 1554.

                                                                           Adilson Oliveira/CMETEA
Público na sessão que precedeu entrega de comenda a japoneses

"Embu nasceu seis meses só depois de São Paulo. Em 18 de julho de 1554, o mesmo Nóbrega e, certamente, o Anchieta, que era seu principal auxiliar, passaram por aqui para fundar a missão jesuítica na aldeia indígena do Boí, ou Mboí, hoje a nossa Embu. Embu é irmã-gêmea de São Paulo, nasceu no mes-mo ano", disse. Ele salientou que a cidade possui um dos seis monumentos históricos mais antigos do Estado paulista, o Museu de Arte Sacra dos Jesuítas.

Cagnin destacou ainda que Embu foi "berço dos bandeirantes" e das artes, com as pinturas e esculturas dos jesuítas. "Somos uma cidade histórica, temos uma memória incrível para celebrar", afirmou. A Lei Orgânica reconhece 18 de julho (1554) como data oficial da Fundação da Aldeia de M´Boy (art. 218, § 2º, IV) - os dados históricos foram colhidos do livro de Moacyr Jordão "Embu na História de São Paulo", obra premiada no 4º Centenário de São Paulo.

A vereadora Rosana Almeida (PMDB) esteve com os secretários municipais Alan Leão (Cultura) e Valdir Barbosa (Turismo), que confirmaram a comemo-ração na data, com ação cultural que envolverá exposição de fotografias, a partir da quinta-feira (18/7), no Centro Cultural Mestre Assis. No sábado e domingo (20 e 21/7), a rua onde fica o Banco do Brasil será fechada para o trabalho ao vivo de 60 artistas plásticos nas áreas de pintura e escultura.

(Rita de Biaggio e Adilson Oliveira - Assessoria de Comunicação da Câmara de Embu das Artes)

Comentários

Nenhum comentário até o momento