Luiz Calderoni lê carta de paciente que precisa de hemodiálise

Por | 9/09/2010


Foto:



quarta-feira, 10 de março de 2010

 

No último dia 10 de março os vereadores de Embu das Artes receberam, durante a sessão ordinária, familiares e doentes renais que precisam fazer tratamento de hemodiálise. Na ocasião, o vereador Luiz Carlos Calderoni agradeceu a presença das famílias presentes e leu a carta de uma delas, a Senhora Irene Oliveira dos Santos, que reivindicou melhores condições para os doentes.

Após a leitura da carta, o vereador Luiz Calderoni exigiu do governo municipal uma solução para o problema. Em seguida solicitou a suspensão da sessão por 10 minutos para que os vereadores recebessem uma comissão de pacientes e parentes dos mesmos na sala 40 desta Casa a fim de encontrar uma solução para o caso.


Durante a reunião, os vereadores prometeram reivindicar a implantação de setor de hemodiálise no HGP (Hospital Geral do Pirajussara). Indignado, o vereador Arthur Almeida chegou a se prontificar a levar ele mesmo uma das pacientes. “Essas pessoas não podem esperar um dia sequer”, disse.
Segundo os doentes que participaram da reunião, o transporte até as unidades de saúde é problemático. Quando há transporte – o que muitas vezes não ocorre -  os pacientes sofrem com motoristas irresponsáveis e até alcoolizados. “Os carros vivem quebrados e não temos condições de pegar táxi pra ir até o Jabaquara”, disse a filha de uma das pacientes.


Paciente sofre para conseguir atendimento
O presidente da Câmara, Silvino Bomfim, entendeu o problema, mas destacou que a responsabilidade em relação ao atendimento hospitalar é do governo do estado de São Paulo. Por isso, ele convocou os vereadores Arthur Almeida e José Carlos Proença, da bancada do PSDB, para que intercedam junto ao Dr. Nacime Salomão Mansur, diretor geral do HGP, para que verifiquem a possibilidade de implantação da Hemodiálise ambulatorial naquele Hospital.


Veja a íntegra da carta lida pelo vereador Luiz do Depósito:



” Embu, 02 de março de 2010.


Venho através desta carta, solicitar atenção e ajuda para uma questão que é tão importante para nós, moradores do Embu e usuários do tratamento de hemodiálise. Venho como representante de um grupo de pessoas que fazem hemodiálise, e que usam o serviço de transporte da prefeitura. Talvez não seja tão tocante essa questão para quem não sabe do nosso cotidiano, por isso vou relatar alguns casos para que fique claro. Três vezes por semana saímos da nossa cidade para fazer o tratamento; o carro ambulatorial começa a pegar os pacientes a partir das 3 horas da manhã; em alguns casos o paciente é avisado para esperar a partir das 3 horas, porém tem dias que o carro chega quase às 6 horas. Muitos pacientes não andam, não enxergam, ou andam com dificuldade, e sentem muita dor. Uma das pacientes, que enfrenta dificuldades para andar e usa andador, faz tratamento na Vila Sônia, onde é deixada às 5 horas da manhã no local, sendo que a clínica só abre às 6 horas, portanto ela é colocada sentada na calçada até a abertura e o início da sessão, esperando por uma hora em calçada fria e sozinha. Tem dias em que o carro se atrasa e chega à nossa residência faltando 15 minutos para a hora marcada na clínica, então chegamos atrasados e não conseguimos fazer o tempo necessário do tratamento, já que não pode ter atrasos, pois a sala tem que ser liberada para o próximo paciente. Algumas pessoas esperam muito tempo antes de começar o tratamento, outras esperam horas para que o carro volte para buscá-las. Um dia o motorista não viu uma paciente que tinha entrado em uma sala para tomar um remédio, então ele veio embora alegando achar que ela já tinha vindo com outro carro, e a prefeitura teve que deslocar outro transporte para buscá-la e a paciente esperou durante muito tempo. Na verdade eu poderia ficar aqui relatando por diversas folhas inúmeros absurdos ocorridos em nosso cotidiano, mas creio que estamos aqui hoje, pedindo ajuda que é a melhor forma de expor nosso sofrimento, por isso, através desta carta e deste Vereador, Luiz do Depósito, que nos ouviu, pedimos ajuda de todos vocês vereadores. Sem mais, desde já agradeço a atenção.



Irene Oliveira dos Santos”.

Comentários

Nenhum comentário até o momento